Voltar

Campanha da Fraternidade Ecumênica 2021


Queridas Irmãs, Paz e Bem!

Ao iniciar este artigo, quero recordar que a Campanha da Fraternidade Ecumênica 2021 é um apelo à mudança de vida, um convite a crescermos sempre mais no caminho da Espiritualidade Franciscana, a serviço da vida, da Paz e do Bem. Esta partilha que ora trago é referente ao texto-base da CFE 2021 (parte introdutória – item 8), que fala: “A conversão ao diálogo e ao compromisso de amor: a conversão nos provoca a pensarmos e repensarmos cotidianamente nossa forma de estar no mundo. Ela nos pergunta sobre como nos envolvemos com as transformações sociais, econômicas, espirituais, ecológicas, individuais e coletivas, a fim de que sejamos cada vez mais coerentes com os ensinamentos de Jesus nos Evangelhos”.

Quando nos perguntamos em comunidade e buscamos respostas para estas perguntas em nossa prática pastoral na Missão que assumimos, identificamos que temos algo muito concreto a compartilhar. Uma das respostas é como se dá o nosso agir pastoral, a fim de atender as demandas da realidade cotidiana do nosso povo e nos dispor a um processo permanente de conversão, pois a realidade nos desafia e nos pede mudança, uma constante mudança de vida, que se manifesta na atitude de preocupação e no cuidado com o outro/a, independentemente de sua denominação religiosa. 

É evidente que a dimensão do diálogo nunca se tornou tão importante quanto está agora, frente à situação de isolamento social, onde as pessoas nos procuram e têm necessidades de falar de suas angústias e doenças. No contexto da pandemia, dada à realidade em que os laços familiares e interação social ficaram restritos. Assim, entendemos que isso fortaleceu a zona proximal das relações fraternas, através das conversas, partilhas veiculadas através dos meios de comunicação social.

No campo espiritual, buscamos incentivar a vivência na Fé cristã, a participação e o envolvimento com a comunidade local, abertas ao diálogo ecumênico, onde a diversidade religiosa é muito comum entre nossas famílias. Por exemplo: temos mães que acompanham seus filhos para catequese, mesmo quando elas são de outra denominação religiosa, chegam a dizer: “meu filho/a quer se batizar e ser católico e eu o apoio…” Esta experiência nos enriquece no diálogo ecumênico e nos abre portas para crescermos na fraternidade universal.

Outro aspecto que nos possibilita diálogo e caminhada ecumênica é a experiência de trabalho e missão junto às organizações públicas, não governamentais e movimentos sociais, onde estamos em constante diálogo com diferentes expressões religiosas e jeitos de ser. Em nossa missão, procuramos envolver as pessoas e ajudá-las a ver o/a outro/a como filha/o amado/a de Deus, cuidando criativamente da Casa Comum, preservando e promovendo a vida integralmente.

Esperamos que este tempo quaresmal e de pandemia seja um tempo que nos ajude a testemunhar e anunciar com a própria vida que Cristo é a nossa paz: adotando comportamentos de acolhida, de diálogo, de não violência e antirracismo. Sendo aqui, nesta terra sagrada, um testemunho de esperança para um mundo em luta.

Irmã Reinilda P. de Oliveira

This entry was posted in Notícias. Bookmark the permalink.

Comments are closed.

Voltar